segunda-feira, 31 de maio de 2010

Hilda Hilst

Isso de mim que anseia despedida
(Para perpetuar o que está sendo)
Não tem nome de amor. Nem é celeste
Ou terreno. Isso de mim é marulhoso
E tenro. Dançarino também. Isso de mim
É novo. Como quem come o que nada contém.
A impossível oquidão de um ovo.
Como se um tigre
Reversivo,
Veemente de seu avesso
Cantasse mansamente.

Não tem nome de amor. Nem se parece a mim.
Como pode ser isso?
Ser tenro, marulhoso
Dançarino e novo, ter nome de ninguém
E preferir ausência e desconforto
Para guardar no eterno o coração do outro.

(Carlos Drummond de Andrade)

Filha do fazendeiro e poeta Apolonio de Almeida Prado Hilst, Hilda nasceu na cidade de Jaú, em uma família rica do interior paulista. Seu pai morreu esquizofrênico aos 35 anos, o que fez com que Hilda optasse por não ter filhos, uma vez que um médico lhe teria dito que a doença atacava geração sim, geração não. As pessoas que conviveram com a poeta a descrevem como uma pessoa deslumbrante, generosa, dona de palavras ácidas, íntegra e culta. Na juventude, foi tida como uma das mulheres mais bonitas de sua geração. “Mistura da beleza de Ingrid Bergman e da sensualidade de Rita Hayworth”, descreve o editor Massao Ohno. A beleza e a personalidade forte tocaram também Carlos Drummond de Andrade, que dedicou um poema a ela (veja reprodução do poema acima). Hilda foi musa de artistas, poetas – Vinicius de Moraes chegou a se apaixonar por ela – e intelectuais. Foi amiga de Lygia Fagundes Telles – “até o fim da vida”, afirma Lygia – e, com seu comportamento avançado, sempre chocava a sociedade paulistana em meados da década de 50. Entre as muitas histórias que sua biografia revela, diverte aos amigos lembrar do namoro com o ator norte-americano Dean Martin (aquele mesmo, famoso parceiro do comediante Jerry Lewis) e a tentativa, frustrada, de seduzir Marlon Brando. “Em Hilda tudo era extremado”, lembra a professora Nelly Novaes Coelho, apresentada à escritora por Lygia Fagundes Telles. “A tudo que fazia, entregava-se de corpo inteiro. Não conseguia o meio-termo, virtude rara que, se por um lado deixou o mundo maior e mais belo do que quando nele chegou, por outro lhe causou contínuos dissabores e problemas. Pois a vida comum exige o meio-termo, o disfarce...”

Assuntos tidos como socialmente controversos, por exemplo, o lesbianismo, a homossexualidade e a pedofilia, foram temas abordados pela autora em suas obras. No entanto, conforme a própria escritora confessou em sua entrevista ao Cadernos de Literatura Brasileira, seu trabalho sempre buscou, essencialmente, retratar a difícil relação entre Deus e o homem.

Hilda Hilst morreu em (4/2/2004), de falência múltipla dos órgãos, depois de uma queda em que fraturou o fêmur. Os jornais trarão certamente a biografia e alguns poemas de Hilda; dirão da grandeza de seu texto desconcertante, de sua beleza enigmática quando jovem, de sua desistência de quase tudo em favor da literatura, de sua solidão, de sua dezena de cães, de sua bem-comportada loucura, etc.

Fonte: www.fabiorocha.com.br

3 comentários:

Aline Sideris disse...

Acredita que ela era tia de uma amigiona minha?
Foi uma mulher incrível!

Beijinhos

Marliborges disse...

Bravo!!! Bravissimo!!! Adorei este post e adoro Hilda Hilst. Mas tenha certeza amiga, os jornais não dirão muita coisa mais a respeito de sua obra, eles preferem falar na vida, nos amores, etc., que são assuntos mais leves. "Hilda quando era jovem, e vivia cercada de homens bem-sucedidos, ninguém levava a sério o que escrevia, porque textos tão densos não podiam vir de uma mulher tão desejada; e deviam ser tomados como uma brincadeira inofensiva, ou uma fraude." (Inventário das sombas). Ela obviamente sofreu muito com esse tipo de discriminbação, até que um dia resolveu que iria SIM vender livros, que sua obra iria SIM ser reconhecida e respeitada! E fez o que nenhuma mulher até então tivera a coragem de fazer. Abraçou um nicho literário que era privilégio dos homens, que só os homens se achavam aptos a escrever. E deu-se muito bem!!! Vendeu muito e tornou-se internacionalmente conhecida, com seus livros traduzidos em vários idiomas.

Amiga, está nos meus planos fazer um post abordando especificamente a obra de Hilda. Assim que fizer, te avisarei, e farei um link para cá, pois é importante tomar conhecimento de algumas passagens da vida dessa escritora tão extraordinária quanto polêmica.
Um beijo grande, ótimo post.

KINHA disse...

Olá amiga

Passando para lembrá-la que no próximo sábado estaremos embarcando para a terra do Tio San e ficaremos por lá durante os próximos 3 meses. Faça essa viagem conosco através do blog que continuará tendo postagens normais, mas com novidades diretamente da fonte...


Bjo